Famílias Felizes – Torres Vedras

Em 2007 começou no Município de Torres Vedras o projecto “Conversas com Pais” e hoje, é sem dúvida, referência a nível nacional.

Torres Vedras1Mensalmente (em período escolar), a autarquia convida alguns oradores (Mário Cordeiro, Eduardo Sá, Nuno Lobo Antunes…) para numa hora e meia de partilha, acrescentarem valor às famílias que se deslocam ao maravilhoso Edifício Paços do Concelho.

Torres Vedras é um exemplo na capacidade de mobilização dos pais, na importância que reconhece às famílias mantendo e melhorando continuamente este espaço de partilha e convívio.

Tive o prazer de ser, pela 2.ª vez, convidada a participar nestas Conversas com Pais, com a palestra “Famílias Felizes”. O Salão Nobre do Edíficio Paços do Concelho, em noite de Conversas com Pais, está sempre (e tomem nota, é mesmo, SEMPRE) cheio, cadeiras extra, famílias sentadas fora da sala.

Tenho tido “a sorte” (acredito tão Torres Vedraspouco nestas coisas) de ter famílias divertidas, disponíveis e que me deixam no final da sessão, cada vez mais convicta de que é sempre possível ser ainda mais apaixonada pelo que faço.

Durante 90 minutos, de forma descontraída e directa, as famílias sacudiram o pó dos dias e com a inteligência de quem quer ser feliz, sorriram ao perceber que sempre tiveram todas as respostas.

Fica por isso um agradecimento à Câmara Municipal de Torres Vedras, por mais uma vez me ter permitido ser feliz “na vossa casa”.

Por último, um beijo e um abraço imenso de gratidão a TODAS as famílias que nesta última visita me fizeram sentir profundamente abençoada. 

Bem-hajam.

Sejam “estupidamente” felizes!

Até breve,

Cristina

Anúncios

2 thoughts on “Famílias Felizes – Torres Vedras

  1. Olá Dr.ª Cristina, sou Magda Alemão, esposa do João e mãe de dois tesouros o Gonçalo (8 anos e Afonso de 21 meses). Eu e o João estivemos nesta sessão ADORÁMOS, ajudou -nos a refletir e tentar melhorar alguns dos nossos comportamentos para com os nossos tesouros. Gostava de poder de partilhar consigo outro aspeto que para mim é quase tão importante como a minha família que é a minha “família grande”. passo a explicar, criei e sou responsável por um equipamento de idosos e partilho inteiramente da sua opinião de que todos nós lá chegaremos (ou não, só deus é que sabe). Eu tenho o hábito de dizer que as relações constroem-se e que não podemos querer ter um filho presente quando o pai não assumiu o seu papel. Não se trata de abandono trata-se de uma relação, se é que se possa designar como tal, mais distante e quase culturalmente do “parece bem”. Adoraria poder partilhar consigo uma série de ideias. Um grande bem haja.

    Magda Alemão

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s